Si-Ur-Re

Si-Ur-Re

Si-Ur-Re: Simetria Urbana Revelada é um olhar que se debruça sobre as composições minimalistas que podemos encontrar num ambiente urbano.
Desenhadas pela interceção da arquitetura de uma cidade com a luz e os efeitos do tempo, cada imagem enquadra elementos banais que, lado a lado, criam uma narrativa inesperada.

cidade nenhuma

cidade nenhuma

cidade que aqui se representa não tem nome, ou melhor, tem nome, mas é como se não o tivesse. Esta cidade é Viseu, mas é como se não o fosse. Esta cidade que é aquela onde vivo é também uma cidade que cresceu para cima e para os lados e aos poucos tornou-se cidade como todas as outras, e todas as outras são como esta.

Estas fotografias representam uma cidade, não necessariamente aquela que captam. Mostram, de forma quase clínica, a sua beleza, frieza e simetria. A ausência do ser humano em desprimor do betão. Um céu nublado em vez de um sol emocional.

Livro

Cidade Nenhuma é o segundo livro de fotografia de Luís Belo. Depois de Emergir, um registo saudosista, que acompanhou com poesia escrita por si, nesta nova publicação continuam a existir palavras a acompanhar as imagens, mas é Bruno Ministro que lhes dá forma, e fá-lo com particular destreza. Num registo experimental, com a linguagem verbal a ser explorada sob diversas perspectivas, o texto não se limita a acompanhar o leitor na descodificação das fotografias. O jogo de produção de significado é baralhado ao fornecer linhas diversas e divergentes para a leitura das imagens e das próprias palavras. Se as fotografias podiam existir neste livro sem os poemas e se os poemas podiam existir neste livro sem as fotografias, a verdade é que não é isso que acontece: a palavra existe junto da imagem e a imagem junto da palavra. E é nessa comunhão e/ou confronto que a leitura se tece.

DIMENSÕES
A5 (210x148mm)

EDIÇÃO
1.ª edição, 70 exemplares

IMPRESSÃO
Papel branco 120gr, impressão a cores

POEMAS
Bruno Ministro

CAPA
Impressão em offset a prateado,
em papel negro de 300gr.

ANO
2014

estas estátuas

estas estátuas

Viseu, como muitas outras cidades, está povoada de memórias. A cidade que hoje vivemos é o legado de muitos outros que vieram antes de nós. Alguns, pelos seus grandes feitos, fazem hoje parte da nossa paisagem. São estátuas. Cada estátua é uma pessoa, um artista, uma mensagem. Quis, a cada fotografia, explorar as varias facetas destes “habitantes” de Viseu, misturando o seu retrato com a cidade que habitam.
O resultado é um ensaio fotográfico repleto de histórias. Uma pequena homenagem a quem vezde Viseu e Portugal, como cidade e nação, aquilo que é hoje.