#instameetviseu2019 – parte 1

25 Setembro, 2019fotografia

O Instameet Viseu voltou a realizar-se durante a Festa das Vindimas. Eu, novamente convidado a fazer a curadoria do evento, estava seguro de que a experiência dos últimos anos me tinha preparado para mais um sem percalços. Estava errado. Muito errado. Precisamente no dia em que todos nos reunimos para começar a fotografar, as primeiras chuvas de outono chegaram. Discretas durante a manhã, avassaladoras durante a tarde. Não houve plano que resistisse.

Tinha ficado claro no dia anterior que a chuva estaria presente, de tal forma que todos os outros eventos da Festa foram cancelados para aquele dia, mas com fotógrafos já a caminho, não estávamos dispostos a abdicar deste encontro. Escrevo no plural pois esta foi uma decisão de todos nós. “Eu gosto do desafio de fotografar à chuva”, dizia o Leonel. Ainda assim, enfrentá-la foi uma tarefa difícil de antecipar.

A manhã começou no mercado, repleto de gente e legumes. Passámos pela Central de Camionagem, visitámos o recinto da Feira de S. Mateus e entrámos na Casa da Ribeira. Sempre entre os pingos da chuva. Já a tarde empurrou-nos para dentro dos carros que nos levaram ao Museu do Quartzo, no topo do Monte de Santa Lúzia. É um local encantador, habitualmente, onde podemos ver toda a cidade de Viseu pousando os olhos no horizonte. Não neste sábado. As nuvens densas desciam sobre nós e tudo era branco. O vento forte assobiava entre as árvores bailantes, inseguras. Saímos dali até à Igreja Madre Rita e por fim até à Quinta de Lemos para, mais uma vez, nos confrontarmos com uma chuva sem descanso. Regressámos para nos aquecer e terminar o dia quentes, com um belo jantar.

O domingo foi bem mais simpático, o sol voltou a espreitar e permitiu que a nossa manhã fosse feita de um ponto de partida com muitos percursos.

Ficarei para sempre impressionado com a resiliência deste grupo. O Pedro, o Jerónimo, o Copeto, a Margarida, o Gil, o Alex, a Filipa, o Miguel, o Hugo, o Leonel, o Jorge, a Diana, a Isabel, o João e a Sara viajaram de todo o país para virem fotografar a cidade e nem as recomendações da Proteção Civil os dissuadiram de vaguear ruas e terras à procura de novas composições e imagens. Não só isso, como ainda o conseguiram fazer com uma criatividade e olhares belíssimos.

Este não foi um meet como previa, mas deste fim-de-semana saímos todos mais fortes. Uma lição que guardarei com carinho.

Pasmaceira

27 Outubro, 2018rascunho, palavras

Voltou a acordar. Hoje em dia já não lhe fazia grande diferença, acordar. Quando era mais pequeno era diferente, existiam surpresas. Sorria de expectativa. Entusiasmava-se. Hoje em dia não é bem assim. Hoje em dia não é nada assim. A rotina instalou-se.

Um copo de café antes de sair. Escovar os dentes, sair da porta de casa, entrar no autocarro. Sair da porta do autocarro, entrar na porta do trabalho. Sentar-se. Sentar-se durante horas. Apaziguar o aperto no estômago com uma maçã. Levantar-se depois de horas. Sair pela porta do trabalho, do autocarro, entrar pela porta de casa, do quarto da cama onde se deita. É noite, é dia.  Fez tudo sem sair da cama. Logo depois levantou-se e fê-lo de verdade. Tal e qual.

A vida é uma pasmaceira. Durante meses, a vida foi uma pasmaceira.

Sentado, trincou a maçã para apaziguar o aperto no estômago, mas desta vez contorceu-se. Seria da maçã o aperto forte no peito? A Alzira da contabilidade perguntou-lhe “Estás bem?”. A sua resposta não foi mais do que um tombo. O Alberto não hesitou a insultar: “Não vês que não está bem? És idiota, Alzira!? Chama alguém”. Entre aqueles três alguéns só ele se questionava verdadeiramente. Estendido no chão perguntava-se se o tédio matava do coração. Se a maçã teria veneno e se isso faria dele uma Branca de Neve. Sempre teve uma compleição clara e não se importaria de ser princesa. A vida assim não seria uma pasmaceira.

A verdade é que o tempo passava e entre os insultos dos colegas e a ausência de uma mão ajudante já não sentia os dedos dos pés. Nem os pés inteiros, nem do joelho para baixo ou do joelho para cima até às pálpebras. Sentia as pálpebras como se fossem feitas de betão a ruir sobre os seus olhos. O estrondo da sua queda trouxe a noite. Nem as vozes dos colegas, nem o ruído do ar condicionado. Era outra pasmaceira de lugar este onde se encontrava. Um que não saberia se ficaria para sempre. Para sempre lá ficou, sem som, sem luz, consigo sem forma de ser. Afinal a morte é uma pasmaceira ainda maior.

#instameetviseu2018 – parte 1

28 Setembro, 2018fotografia

A semana passada aconteceu o terceiro Instameet Viseu. Pelo segundo ano consecutivo tive a oportunidade de ser o curador do evento da Festa das Vindimas. Neste caso significa que tenho a liberdade de convidar alguns dos fotógrafos que admiro nessa rede. E há muito talento por ali.

Com o aproximar do fim-de-semana também alguns dos instagrammers foram chegando a Viseu. Eu desdobrava-me para acolher cada um dos mais de vinte participantes, curioso para conhecer pessoalmente os rostos por detrás da imagens, mas também receoso que algum percalço manchasse a estadia.

Durante os três dias em Viseu não faltaram de percalços, mas o que não antevi foi a forte união que este grupo gerou: de desconhecidos a família num dia. Sempre sorridentes, disponíveis aos pedidos mais estranhos, dos saltos às inevitáveis quedas, do caminhar ao sol a descobrir Omiri noite dentro… a criatividade assim é fácil de semear.

Os resultados colhem-se nas fotografias, mas essas contam apenas parte da história. Neste fim-de-semana conheci gente extraordinária que não só encontra outra perspectiva numa paisagem partilhada, como usa esse dom na sua forma de estar. É inspirador. Faz de mim uma pessoa mais rica, e lamechas. Um feliz lamechas. Obrigado Tiago Silva, Gabriela Gomes, Margarida Reis Pereira, Guilherme Barata, Eurico Amorim, Lígia Claro, Luís Cavaleiro, Luís EusébioFilipa Alexandra e Vitor, Sofia Dias, Paulo Furtado e Maria, Tiago Aleixo, Diogo Oliveira, Marcos Moreira, Nuno Serrão e Andreia, Alexandre Mascarenhas, Filipa Aguiar, Salomé Santos e José Pedro Pinto.

A fantástica fotografia de grupo pretence ao @lceusebio.