Blogue

Jantar de Verão e a Fujifilm X-Pro 2

Adoro fotografia, interessa-me o seu lado artístico e as histórias que cada imagem pode trazer consigo. No entanto, nos últimos anos o aspeto técnico tem-me cativado de igual forma, por isso não é de estranhar que tenha reagido como um menino na noite de natal quando o John Gallo trouxe o seu equipamento fotográfico para um jantar cá em casa.

A nós juntaram-se a Cátia e do Dani para um serão agradável, já a experiência com a nova X-Pro 2... também o foi. É uma câmara sólida e com um design lindíssimo que é completado pelas fantásticas objetivas da marca que para lá da irrepreensível qualidade óptica são, na sua maioria, compactas e leves. O botão de seletor de foco faz toda a diferença no uso da câmara. Custa a crer que este joystick não seja padrão em qualquer máquina fotográfica. Já com as imagens no computador, é surpreendente o quão flexíveis são os ficheiros raw. Há imenso detalhe nas sombras para recuperar mesmo usando um ISO alto que, pela minha parca experiência com câmaras, tem pouquíssimo grão e o que tem até é agradável.

Pontos fracos? A ausência de um tilt-screen dói. Para planos menos comuns, a opção de rodar o ecrã e colocar a câmara junto ao chão, ou levantar os braços e mesmo assim ver o enquadramento é importante no meu trabalho. A precisão do foco em ambientes escuros ainda deixa a desejar comparando com a minha Canon 80D, ou até a pequena Sony RX100MkIV, o que me surpreendeu... Por fim, o botão para selecionar o ISO é um passo atrás. Já elogiei o design desta câmara e uma das razões prende-se pela inspiração que vão buscar às câmaras de filme, mas ter que puxar o botão para cima e rodá-lo sempre que quero mudar o ISO é tudo menos prático. É uma operação impossível de fazer sem que pare o que estou a fotografar para olhar para o botão, rodá-lo com esforço e só depois retomar o enquadramento. Menos mau é poder atribuir a função do ISO a um dos botões personalizáveis e daí selecionar no visor o ISO pretendido, isto sim, já seria possível sem desfazer o enquadramento.

Nunca existirá uma câmara perfeita, e no meio dos seus defeitos, esta X-Pro 2 está mais perto da perfeição que muitas outras. As imagens que dela saem são surpreendentes, aqui ficam algumas feitas de forma descontraída. Agora para ler uma review séria, recomendo gente séria. Na verdade eu só queria jantar, mas aconteceu isto.

Fujifilm X-pro 2, XF23mmF1.4 R
1/450 sec a f/1.6, ISO 3200. Processado com Lightroom.

Fujifilm X-pro 2, XF56mmF1.2 R
1/40 sec a f/1.6, ISO 800. Processado com Lightroom.

Fujifilm X-pro 2, XF23mmF1.4 R
1/50 sec a f/1.4 ISO 5000. Processado com Lightroom.

Fujifilm X-pro 2, XF23mmF1.8 R
1/550 sec a f/1.6, ISO 8000. Processado com Lightroom.

Fujifilm X-pro 2, XF56mmF1.2 R
1/70 sec a f/1.6, ISO 800. Processado com Lightroom.
Ilustração de L Filipe dos Santos.

Fujifilm X-pro 2, XF56mmF1.2 R
1/70 sec a f/1.4, ISO 5000. Processado com Lightroom.

Fujifilm X-pro 2, XF56mmF1.2 R
1/105 sec a f/1.4, ISO 3200. Processado com Lightroom.

Fujifilm X-pro 2, XF23mmF1.4 R 1/340 sec a f/1.4, ISO 3200. Processado com Lightroom.

Fujifilm X-pro 2, XF23mmF1.4 R
1/340 sec a f/1.4, ISO 3200. Processado com Lightroom.

Fujifilm X-pro 2, XF56mmF1.2 R
1/55 sec a f/1.6, ISO 800. Processado com Lightroom.

Fujifilm X-pro 2, XF23mmF1.4 R
1/480 sec a f/1.4, ISO 3200. Processado com Lightroom.